Página inicial Faperj
Rede RioA Refinaria é NossaSecr. de Estado de Ciência, Tecnologia e InovaçãoEstado do Rio de Janeiro  
A Fundação Bolsas Auxílios Programas especiais Programas orientados Difusão Científica Serviços
Página inicial do Boletim
  
   
Governadora nomeia novos conselheiros da Fundação
 
Itabapoana sedia 2ª etapa de jornada do projeto Jovens Talentos
 
Notas – Semana de 16 a 23 de fevereiro de 2006
 
Mais >>

 

 

 
    
Tecnologia brasileira permite viagem no tempo e no espaço
16/02/2006
 

Marina Ramalho

Imagine-se no Pão de Açúcar, rodeado pelas belezas naturais do Rio de Janeiro. À sua frente, uma espécie de binóculo está direcionada para a paisagem da capital carioca. Ao observar pelo aparato, porém, uma surpresa: a imagem visualizada não é a da cidade contemporânea, mas cenas de um Rio de Janeiro do início do século XX. Mais do que meramente contemplar a paisagem, o observador também pode interagir com ela, girando o binóculo para ver outros pontos da cidade e se aproximando de detalhes da vista, por meio de uma ferramenta de zoom.

 

 

Essa mistura de realidade virtual e turismo histórico é apenas uma das aplicações que o projeto Visorama – do Laboratório Visgraf, do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), em conjunto com o Núcleo de Imagem (N-Imagem) da Escola de Comunicação da UFRJ – pode desenvolver. A fase atual da pesquisa foi contemplada pelo edital Rio Inovação II da FAPERJ.

 

 

O Visorama é um sistema de realidade virtual, baseado em panoramas, que inclui hardware e software. O conceito de panorama é antigo – trata-se de uma espécie de mural, montado numa superfície circular (com forma de cilindro) em torno de uma plataforma central. A partir dessa plataforma é possível observar a figura em todas as direções, como se o observador estivesse no centro da cena. A novidade, de fato, são os panoramas virtuais, em que se busca a mesma experiência dos panoramas originais, mas no mundo virtual.

 

 

“A idéia do projeto é simples, mas envolveu muita pesquisa pura e aplicada numa área nova, que agrega síntese, análise e processamento de imagem, além de modelagem geométrica, conceitos do chamado Image-Based Rendering. Tivemos que vencer dois obstáculos: sincronizar os movimentos do binóculo com a visualização da imagem em tempo real e alcançar um alto nível de detalhamento da cena”, explica o pesquisador do IMPA Luiz Velho, que lidera o projeto junto com André Parente, professor da Escola de Comunicação da UFRJ. O resultado, até o momento, foi um protótipo, cuja tecnologia de panorama virtual de multi-resolução é a mais avançada do mundo, desbancando gigantes da tecnologia como a empresa americana Apple.

 

“Pela ferramenta da Apple, por exemplo, o internauta navega por um panorama virtual utilizando o mouse e a tela do computador. Já no Visorama, criamos uma interface – o binóculo – que é mais natural para o homem manipular e que permite ao observador ficar totalmente imerso naquele ambiente virtual”, diz Velho, acrescentando que a resolução da imagem no Visorama tem qualidade bastante superior.

 

O protótipo já foi exibido em mostras nacionais e internacionais, onde colheu elogios de pesquisadores da área de Computação Visual. A última instalação da qual participou foi no Museu Europeu de Fotografia, onde ficou de setembro a outubro de 2005, por conta das comemorações do ano do Brasil na França. Essas e outras instalações motivaram a etapa atual do projeto que consiste em atualizar tecnologicamente o hardware e o software e adaptá-los para sua inserção no mercado. “Queremos transferir o Visorama do nosso ambiente de pesquisa para a sociedade, para que o produto seja utilizado em diversos contextos”, explica Velho, que assegura que, em um ano, o equipamento já estará pronto para comercialização.

 

Sistema de realidade virtual tem aplicações no turismo e na educação, entre outras áreas

 


Uma das aplicações mais imediatas do Visorama, de acordo com Luiz Velho, será a possibilidade de explorar a vocação turística do Rio de Janeiro. Como no exemplo do Pão de Açúcar, ele vislumbra a utilização do aparato em outras paisagens da cidade, onde se poderá navegar por iconografias antigas e até por cenas pintadas por artistas plásticos.

 

O pesquisador destaca também o potencial do sistema de realidade virtual para a educação. “É possível criar panoramas de estruturas científicas que são abstratas para estudantes, como um átomo ou célula. Assim, os alunos poderão navegar através do Visorama e compreender melhor essas estruturas”. A atualização do software também incrementará a possibilidade de autoria de panoramas através do equipamento. O usuário poderá criar seu “cenário virtual” e percorrê-lo com o binóculo do iconografias antigas Visorama.

 

Velho prevê ainda a possibilidade de inserção de vídeos e áudio nos panoramas, o que permitirá enriquecer o conceito de imersão na realidade virtual. “Conforme o usuário for movimentando o binóculo, ele navegará pelas imagens, podendo aproximar-se ou distanciar-se dela pelo zoom, poderá acessar áudios automaticamente e ainda conferir animações”, diz o pesquisador. O Visorama pode, assim, potencializar as possibilidades no mundo do entretenimento.

 

   
Enviar esta página  
 
 
 FAPERJ - Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro
 Av. Erasmo Braga, 118 - 6º andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ - Cep: 20.020-000 - Tel: (21) 3231-2929 - Fax: (21) 2533-4453